Favoritos de 2016 – Livros / HQs

Chegou a vez das melhores leituras de 2016, dentre livros e quadrinhos. Há uma diversidade de títulos listados que merecem ser conferidos por aqueles que não tiveram a sorte de esbarrar com eles nas prateleiras das livrarias durante este ano que se vai. São os nossos livros e quadrinhos favoritos de 2016 e que ficam de recomendação (ou não-recomendação) para um 2017 mais divertido e estimulante para vocês:

Melhor livro:

Before We Were Strangers

23309634

Os personagens principais dessa obra de Renée Carlino são definitivamente a melhor parte do livro. Grace e Matt são simples, mas reais. Você torce, chora e se alegra por eles. O plot é lindo e o amor dos protagonistas por fotografia e música é fantástico. A escrita da autora também é outro ponto forte, pois te cativa desde as primeiras páginas. Quem procura por uma história em NYC de friends to lovers, com um casal marcante e muito bad timing vai amar esse livro!

Corte de Névoa e Fúria

corte-de-nevoa-e-furia

O segundo volume da saga iniciada com Corte de Espinhos e Rosas juntou diversos elementos atraentes em um só e desenvolveu da melhor forma os personagens. O que levou, inevitavelmente, a ansiedade pelo terceiro livro para as alturas!

Decepção literária:

Amy & Roger’s Epic Detour

amy-e-rogers

Você começa a leitura esperando uma roadtrip maravilhosa e um romance legal, mas só se decepciona. Uma protagonista superficial e sem graça. Além disso, o enredo engendrado por Morgan Matson não te anima, o romance é super forçado e o final do livro é apressado e anticlimático. Não recomendo!

Harry Potter e a Criança Amaldiçoada

harry-potter-e-a-crianca-amaldicoada

Esse livro foi a maior decepção do ano. A continuação da saga Harry Potter nem de longe parece uma obra da mesma autora dos livros anteriores. Em nenhum momento você consegue se conectar à história. Uma obra com diversos plots falhos.

Melhor quadrinho nacional:

Relatos Azuis

relatos-azuis

Com uma narrativa tocante e delicada, um traço divertido e encantador, Fulvio Pacheco fala sobre a relação do autismo com a arte, nos dando uma eficiente aula acerca da síndrome, sem jamais soar didático. Ao descobrir que o filho, Murilo, era autista e acompanhar seu tratamento, Fulvio também foi diagnosticado com a síndrome, o que possibilitou ao quadrinista ampliar seus horizontes e compreender melhor o autismo. Toda essa história está retratada de maneira genial e sutil em Relatos Azuis, um dos melhores títulos de 2016.

Melhor quadrinho internacional:

Dark Night: A True Batman Story 

dark-night

Uma das histórias mais emocionantes e inventivas do ano, Dark Night é um quadrinho autobiográfico no qual Paul Dini, o roteirista das ótimas animações do Batman do começo da década de 1990, fala acerca da importância do personagem e de demais cartoons em sua vida. Ainda que apresente passagens da infância de Dini, versando a respeito de sua incansável criatividade e profunda solidão, de modo a contextualizar melhor a sua história, a graphic novel se concentra, de fato, em um recorte bem complicado de sua vida: o trauma após ser espancado por assaltantes depois que voltava de um jantar com uma atriz e alpinista social. O roteirista passou por cirurgias de reconstituição do crânio e seu processo de recuperação foi lento e gradativo. Com o psicológico abalado, acabou sofrendo um bloqueio criativo no qual não conseguia mais escrever sobre o Batman, até mesmo por não acreditar mais no que ele representava depois de toda a violência de que foi alvo na vida real. Os vilões de Gotham City passam, então, a representar seus demônios internos enquanto o próprio Batman simboliza sua luta por superação, em uma obra de teor visceral e realista que impressiona pela qualidade do grafismo na retratação da violência e do psicológico perturbado de Dini. Sem dúvida, uma obra prima moderna.

Melhor série de estreia:

Paper Girls

papergirls

Vencedora do prêmio Eisner 2016 (o mais importante do segmento de quadrinhos) de melhor série estreante, Papergirls de Brian K. Vuaghan situa sua trama na década de 1980 e acompanha quatro adolescentes, entregadoras de jornais, que tem de lidar com toda a sorte de bizarrices envolvendo viagens no tempo, produtos extremamente compactos da Apple e monstros de aparência indigesta em diferentes linhas temporais na fictícia Stony Stream.  A narrativa é ágil, instigante e repleta de deliciosas referências, tanto oitentistas quanto à cultura contemporânea. A arte é excelente, apresentando personagens de traços carismáticos e um domínio preciso de luz, cores e sombras, compondo uma atmosfera engenhosa de suspense, ação e ficção científica que remete a diversos filmes queridinhos da década de 1980, como De Volta Para o Futuro, E. T. – O Extraterrestre Conta Comigo. Altamente recomendável.

A todos, desejamos boas leituras em 2017! Que muitos universos inventivos permeiem nossa imaginação nos fazendo escapar um pouco da realidade árdua do dia a dia. Leiam, pessoas! Leituras desenvolvem e estimulam nosso senso crítico, mudam vidas e o nosso modo de ver o mundo.

Bruna Lopes
Márcia Campelo
Andrizy Bento

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s