Vencedores do Emmy 2012

Homeland é a grande vencedora da noite

O drama Homeland desbancou Mad Men na categoria série dramática e se consagrou como a grande favorita da noite ao lado da comédia Modern Family e do telefilme Game Change. Abaixo você confere a lista dos principais vencedores da 64ª edição do Emmy 2012, a maior premiação da TV norte-americana que ocorreu no último domingo, 23 de setembro, em Los Angeles:

Série Dramática: Homeland

Série Cômica: Modern Family

Minissérie ou Telefilme: Virando o Jogo/Game Change (Telefilme)

Ator de Série Dramática: Damian Lewis, Homeland

Ator de Série Cômica: Jon Cryer, Two And A Half Men

Ator de Minissérie ou Telefilme: Kevin Costner, Hatfields & McCoys

Atriz de Série Dramática: Claire Danes, Homeland

Atriz de Série Cômica: Julia Louis-Dreyfus, Veep

Atriz em Minissérie ou Telefilme: Julianne Moore, Game Change (telefilme)

Ator Coadjuvante em Série Dramática: Aaron Paul, Breaking Bad

Ator Coadjuvante em Série Cômica: Eric Stonestreet, Modern Family

Ator Coadjuvante em Minissérie ou Telefilme: Tom Berenger, Hatfields & McCoys

Atriz Coadjuvante em Série Dramática: Maggie Smith, Downton Abbey

Atriz Coadjuvante em Série Cômica: Julie Bowen, Modern Family

Atriz Coadjuvante em Minissérie ou Telefilme: Jessica Lange, American Horror Story

Roteiro – Série Dramática: Alex Gansa, Gideon Raff e Howard Gordon, Homeland – Pilot

Roteiro – Série Cômica: Louis C.K., Louie – Pregnant

Roteiro – Minissérie, Telefilme ou Especial: Danny Strong, Game Change

Direção – Série Dramática: Tim Van Patten, Boardwalk Empire – To The Lost

Direção – Série Cômica: Steven Levitan, Modern Family – Baby On Board

Direção – Minissérie, Telefilme ou Especial: Jay Roach, Game Change

Andrizy Bento

 

 

 

Anúncios

The Newsroom

No mundo das séries existem alguns deuses. Esses deuses foram capazes de produzir obras que viraram ícones no meio. Joss Wheddon, J.J. Abrams e muitos outros.

Um desses deuses lançou o seu mais novo bebê, The Newsroom, que leva a assinatura de Aaron Sorkin, o gênio que produziu The West Wing e a esplendorosa Studio 60 que teve infelizmente uma única temporada (sim, a audiência americana é injusta).

The Newsroom tem como mote a redação de um jornal de TV a cabo americana. A serie tem como protagonista Will MacVoy, um âncora respeitado, mais famoso por puxar o saco de seus entrevistados. No episodio piloto, Will surta numa conferencia em uma universidade americana. Uma das alunas faz uma pergunta simples a Will. E ele, no alto de seu surto, faz um retrato real dos Estados Unidos. Óbvio que esse retrato é chocante. E causa um transtorno na seu emprego e com isso somos jogados ao turbilhão que sua vida se tornou.

Depois de cumprir uma suspensão, Will volta à sua redação e não encontra equipe, produtores. Ninguém quis ficar ao lado de Will que é o maior âncora da emissora. Para salvar a sua estrela, Charles Skinner, chefe do departamento de jornalismo do canal, traz de volta aquela que talvez seja a causa dos problemas de Will; sua ex-namorada Mackenzie Machale, produtora de gabarito, ela tem uma missão: salvar o News Night. Óbvio que Will pira com a possibilidade de trabalhar com Mac. Mas no dia de sua volta, eles são surpreendidos com o vazamento de petróleo no golfo do México. E Mac consegue produzir um jornal esplendoroso e convence momentaneamente Will a deixa-la como produtora.

A partir daí somos jogados num redemoinho de emoções de como um jornal é produzido. Claro que a produção é rodeada de clichês, e sabemos que metade das notícias não é produzida daquela forma. Mas ver o jornalismo com os olhos de Sorkin é uma delicia. Newsroom é uma comedia? Talvez. É um drama? Talvez. Duvido que alguém não se comova com a emoção dos jornalistas ao relatarem a morte de Bin Laden. Ou não morra de rir com as trapalhadas de Mac.

A summer season esta acabando; o mês mais amado pelos seriemaníacos chegou. Mas The Newsroom merece um pouco de atenção e, para completar, além do Sorkin , ela leva o selo HBO de qualidade (talvez falho em true blood). Mas um único erro deixa a HBO no lucro.

Beijos e ate a próxima.

Gaby Matos

Nas prateleiras: Lançamentos de Livros- Setembro

Divergente – Veronica Roth

Numa Chicago futurista, a sociedade se divide em cinco facções – Abnegação, Amizade, Audácia, Franqueza e Erudição – e não pertencer a nenhuma facção é como ser invisível. Beatrice cresceu na Abnegação, mas o teste de aptidão por que passam todos os jovens aos 16 anos, numa grande cerimônia de iniciação que determina a que grupo querem se unir para passar o resto de suas vidas, revela que ela é, na verdade, uma divergente, não respondendo às simulações conforme o previsto. A jovem deve então decidir entre ficar com sua família ou ser quem ela realmente é. E acaba fazendo uma escolha que surpreende a todos, inclusive a ela mesma, e que terá desdobramentos sobre sua vida, seu coração e até mesmo sobre a sociedade supostamente ideal em que vive.

Um Porto Seguro – Nicholas Sparks

Quando uma mulher misteriosa chamada Katie aparece repentinamente na pequena cidade de Southport, na Carolina do Norte, questionamentos são levantados sobre seu passado. Linda, mas discreta, Katie parece evitar laços pessoais formais até uma série de eventos levá-la a dois relacionamentos relutantes: um com Alex, o viúvo com um coração maravilhoso e dois filhos pequenos, o outro com sua vizinha muito franca, Jo. Apesar de ser reservada, Katie começa a baixar a guarda lentamente, criando raízes nessa comunidade solícita e tornando-se próxima demais de Alex e de sua família. No entanto, quando Katie começa a se apaixonar, ela se depara com o segredo obscuro que ainda a assombra e a amedronta: o passado que a deixou apavorada e a fez cruzar o país para chegar no paraíso de Southport. Com o apoio simpático e insistente de Jo, Katie percebe que deve escolher entre uma vida de segurança temporária e outra com recompensas mais arriscadas… e que, no momento mais sombrio, o amor é seu único refúgio.

Coragem Para Sonhar – One Direction

Escrito pelos cinco integrantes da banda One Direction, o maior fenômeno pop dos últimos tempos, este livro revela a história de como eles chegaram onde estão hoje: no topo das paradas musicais e no topo da lista de livros mais vendidos do jornal The New York Times. Nada mal para uma banda que acabou de completar dois anos de vida. “Coragem para sonhar”, a biografia 100% oficial do One Direction, traz ainda centenas de fotos e histórias para lá de divertidas de Harry, Liam, Louis, Niall e Zayn.

Cinquenta Tons Mais Escuros – EL James

Assustada com os segredos obscuros do belo e atormentado Christian Grey, Ana Steele põe um ponto final em seu relacionamento com o jovem empresário e concentra-se em sua nova carreira, numa editora de livros. Mas o desejo por Grey domina cada pensamento de Ana e, quando ele propõe um novo acordo, ela não consegue resistir. Em pouco tempo, Ana descobre mais sobre o angustiante passado de seu amargurado e dominador parceiro do que jamais imaginou ser possível. Enquanto Christian tenta se livrar de seus demônios interiores, Ana se vê diante da decisão mais importante da sua vida.

Resident Evil: Retribuição – John Shirley

A Terra está devastada por zumbis e aberrações geradas por mutações do T-vírus. Para sobreviver à nova realidade global, Alice luta ao lado de sobreviventes de um movimento de resistência e reencontra velhos conhecidos na contínua batalha contra a Umbrella Corporation e os mortos-vivos.

Gregor e As Marcas Secretas – Suzanne Collins

No quarto volume da aclamada série das Crônicas do Subterrâneo, Gregor é levado a se envolver cada vez mais em uma crise que se aprofunda. Há gerações, os ratos vêm expulsando os camundongos — ou “mordiscadores” — de qualquer terra que queiram, fazendo com que eles tenham de se mudar constantemente. Mas agora os camundongos estão desaparecendo, e a jovem rainha Luxa, que é grata a eles por terem salvado sua vida, está determinada a saber por quê.

Cidade dos Anjos Caídos – Cassandra Clare

A guerra acabou e Caçadores de Sombras e integrantes do submundo parecem estar em paz. Clary está de volta a Nova York, treinando para usar seus poderes. Tudo parece bem, mas alguém está assassinando Caçadores e reacendendo as tensões entre os dois grupos, o que pode gerar uma segunda guerra sangrenta. Quando Jace começa a se afastar sem nenhuma explicação, Clary começa a desvendar um mistério que se tornará seu pior pesadelo.

A Seleção – Kiera Cass

Para trinta e cinco garotas, a “Seleção” é a chance de uma vida. Num futuro em que os Estados Unidos deram lugar ao Estado Americano da China, e mais recentemente a Illéa, um país jovem com uma sociedade dividida em castas, a competição que reúne moças entre dezesseis e vinte anos de todas as partes para decidir quem se casará com o príncipe é a oportunidade de escapar de uma realidade imposta a elas ainda no berço. É a chance de ser alçada de um mundo de possibilidades reduzidas para um mundo de vestidos deslumbrantes e joias valiosas. De morar em um palácio, conquistar o coração do belo príncipe Maxon e um dia ser a rainha. Para America Singer, no entanto, uma artista da casta Cinco, estar entre as Selecionadas é um pesadelo. Significa deixar para trás Aspen, o rapaz que realmente ama e que está uma casta abaixo dela. Significa abandonar sua família e seu lar para entrar em uma disputa ferrenha por uma coroa que ela não quer. E viver em um palácio sob a ameaça constante de ataques rebeldes. Então America conhece pessoalmente o príncipe. Bondoso, educado, engraçado e muito, muito charmoso, Maxon não é nada do que se poderia esperar. Eles formam uma aliança, e, aos poucos, America começa a refletir sobre tudo o que tinha planejado para si mesma — e percebe que a vida com que sempre sonhou talvez não seja nada comparada ao futuro que ela nunca tinha ousado imaginar.

Selvagens – Don Winslow

Ambientalista e filantropo nas horas vagas, Ben comanda um negócio de venda de maconha em Laguna Beach. Ao lado de seu parceiro, o ex-mercenário Chon, ele fatura lucros consideráveis e mantém uma clientela fiel. No passado, quando seu território foi invadido, Chon tratou de eliminar a ameaça. Agora, porém, os dois amigos parecem estar diante de uma força da qual não podem dar conta: o Cartel de Baja, do México, que quer tomar a região, e avisa que não aceitará uma negativa como resposta. Quando os rapazes se recusam a ceder, o cartel reforça a advertência sequestrando Ophelia, companheira e confidente dos dois. O sequestro de O. deflagra uma gama alucinante de negociações habilidosas e reviravoltas inacreditáveis que deixarão os leitores ansiosos para descobrir o custo da liberdade e o preço de um grande barato.

O Primeiro Dia – Marc Levy

Keira é uma arqueóloga que possui um misterioso pingente, presenteado por uma criança que cuidou durante um bom tempo na Etiópia. Após uma tempestade, é forçada a voltar para casa e abandonar suas escavações. Na França, seu colar desperta a atenção de um professor, que promete estudá-lo com Keira. Adrian é um astrônomo que volta à Inglaterra após uma temporada no Deserto do Atacama e conheceu Keira há tempos. A vida dos dois se cruza e, por causa do pingente, ambos são jogados em uma busca pela origem do universo e da humanidade – e perseguidos por quem teme os resultados dessa procura.

Luxúria – Eve Berlin

SE VOCÊ NÃO FOR AO LIMITE, COMO SABERÁ ATÉ ONDE PODE IR?

Quando Dylan Ivory, escritora de romances eróticos, recebe o contato de Alec Walker, nem imagina o quanto esse homem pode mexer com seus pensamentos. Conhecido por ser um famoso dominador em relações sadistas e sadomasoquistas, Alec tenta convencer Dylan de que a melhor forma de se aprofundar no assunto – e então escrever um livro o mais próximo possível da realidade – é viver uma experiência como submissa e sentir na pele a sensação desse tipo de relação. Para Dylan, essa proposta será difícil de ser aceita – uma vez que ela é fanática por ter o controle de tudo em sua vida. Embalados por um misto de prazer e apreensão, o casal se vê em uma situação tentadora enquanto evitam entregarem-se ao sentimento que nasce entre eles. Primeiro romance da trilogia erótica de Eve Berlin, Luxúria traz uma história envolvente carregada de desejo e amor em que cada limite superado revela sensações ainda mais prazerosas.

Desejo Sombrio – Christine Feehan

O estranho conduziu-a silenciosamente através de continentes, através de mares. Ele sussurrava o seu eterno tormento, a sua fome sem fim… de escuridão, de desejos perigosos… E de algum modo, a cirurgiã Shea O Halloran podia sentir a sua angústia e a sua terrível solidão, e ela queria curá-lo.. curar-se a si própria. Atraída pelas longínquas montanhas dos Cárpatos, Shea descobriu um homem torturado, enraivecido, um homem como nenhum outro. E a sua alma estremeceu. Pois nos seus olhos enlouquecidos e no seu coração gelado ela reconheceu o terno estranho que se havia tornado parte de si. Este macho carpatiano seduziu Shea para o seu lado. Mas seria ela a sua médica… ou a sua presa? A sua vítima… ou a sua alma gêmea? Estava ele a levá-la à loucura… ou o seu desejo sombrio a preencheria por completo.

Feita de Fumaça e Osso – Lainy Taylor

Pelos quatro cantos da Terra, marcas de mãos negras aparecem nas portas das casas, gravadas a fogo por seres alados que surgem de uma fenda no céu. Em uma loja sombria e empoeirada, o estoque de dentes de um demônio está perigosamente baixo. E, nas tumultuadas ruas de Praga, uma jovem estudante de arte está prestes a se envolver em uma guerra de outro mundo. O nome dela é Karou. Seus cadernos de desenho são repletos de monstros que podem ou não ser reais; ela desaparece e ressurge do nada, despachada em enigmáticas missões; fala diversas línguas, nem todas humanas, e seu cabelo azul nasce exatamente dessa cor. Quem ela é de verdade? A pergunta a persegue, e o caminho até a resposta começa no olhar abrasador de um completo estranho. Um romance moderno e arrebatador, em que batalhas épicas e um amor proibido unem-se na esperança de um mundo refeito.

Lilian Alipio

Pode Beijar a Noiva – Patrícia Cabot

Numa época em que livros e contos eróticos estão na moda, Meg Cabot, a diva das histórias sobre princesas modernas (e aqui, nada tem a ver com a Sarah Sheeva) e dos livros voltados para o público infanto-juvenil, pode ser, surpreendentemente, uma boa pedida para os jovens que querem se entreter com este universo hot e, ao mesmo tempo, romântico, que está fazendo a cabeça do público leitor de todo o mundo.

Patrícia Cabot é o pseudônimo que Meg utilizou para assinar seus livros voltados para o público jovem/adulto, e um deles é o Pode Beijar a Noiva. Ele conta a história de Emma Van Court, dama londrina que, totalmente apaixonada pelo jovem Stuart, resolve fugir e se casar com ele mesmo tendo consciência de que sua vida muito dificilmente terá conforto financeiro.

Seis meses após o casório, Stuart morre (de uma maneira um tanto bizarra) e Emma se vê sozinha numa cidade pequena e pouco desenvolvida, morando numa cabana em condições precárias ao lado de uma cadela e um galo fujão. Misteriosamente, entretanto, ela passa a ter direito a uma grande herança caso volte a se casar, o que faz com que os marmanjos de todo o vilarejo se interesse por ela. Aliás, pelo seu dinheiro.

James Marbury, primo de Stuart e dono da fúria de Emma, vai até o vilarejo sem planos de vê-la, mas o destino prega-lhe uma peça. Ao encontrá-la em uma situação precária e cercada de homens querendo sua herança, James, que não precisa de dinheiro, pois é o Conde de Denham, se oferece como marido temporário de Emma, apenas para liberar a herança de que é era dona e, posteriormente, ele próprio resolverá tudo para a anulação do casamento, já que não irão consumar a união. Teoricamente.

O que podemos encontrar em Pode beijar a noiva é um típico romance “sessão da tarde” com pitadas de “tela quente”. Emma e James são divertidos juntos e Patrícia/Meg se esforçou para deixar algumas passagens engraçadas. O casal tem muita química e os capítulos destinados aos beijos apaixonados e ao sexo foram muito bem feitos (e detalhados!). Confesso que esse fato me pegou um pouco de surpresa, esperava por algo mais “infantil”, talvez por preconceito ou pela própria forma de pensar de Emma, que chega a ser chata no início do livro.

O amor que ela sente por Stuart é mostrado de forma breve (já que o próprio era contra demonstrações físicas de afeto dentre outras coisas), o que torna difícil a existência de “teams”, frequentes nos romances atuais. Stuart também é morno, enquanto Emma tinha uma alma “devassa”, como a própria diz. É com James que a personagem encontra a fusão entre a melhor e a pior parte de si mesma. Emma “devassa” é muito mais divertida do que a Emma “caridosa”, embora as duas estejam presentes em toda a trama.

Quem já está acostumado com literatura erótica (o que não é o meu caso) com certeza vai achar as relações sexuais entre Emma e James fracas e “sem sal”, mas para aqueles que ainda estão iniciando no gênero e curtem um bom romance, Pode beijar a noiva é totalmente indicado.

Daniele Marques

Destino – Ally Condie

Imagine viver num lugar onde tudo é totalmente controlado de acordo com o que o governo planeja para você: profissão, casamento, filhos, alimentação, diversão e até mesmo morte. O controle é absoluto, sem erros, ilusões e outros caminhos a serem seguidos. É assim que a Sociedade de Destino (Matched) mantém todos os habitantes das províncias sob suas normas.

É nesse lugar que vive Cássia Maria Reyes, personagem principal da obra de Ally Condie. Ela acaba de completar 17 anos e, por este motivo, deve comparecer ao conceituado e bastante aguardado “Banquete do Par”, onde irá conhecer seu futuro marido, aquele com quem deverá viver o resto da vida. Ele fora escolhido pela Sociedade: seu porte físico, suas características psicológicas, tudo milimetricamente controlado para que ele se relacione perfeitamente com Cássia, e para que juntos gerem crianças saudáveis (é dessa forma, aliás, que a Sociedade eliminou doenças que matavam muita gente antes de seu controle).

Mas para a surpresa de todos e da própria personagem, o par escolhido para ela vive na sua província, o que é raro de acontecer. O caso se torna ainda mais incomum quando Cássia descobre que o homem nomeado para ser seu, nada mais é que seu melhor amigo, Xander Thomas Carrow.

Cássia e Xander passam a ser vistos como pessoas de sorte, pois, na maioria dos casos, os pares são formados com gente que nunca se viu antes, geralmente moradores de províncias diferentes. Mas nem tudo acontece perfeitamente como o planejado: o “microcartão” recebido por Cássia, onde ela pode ter acesso ao seu par e suas principais características (como se já não as conhecesse perfeitamente), demonstra um funcionamento incomum: não é o rosto de Xander que aparece na tela e sim o de Ky, outro morador da província que ela também conhece.

Além de Ky não ser seu par, ele jamais deveria ter sido considerado um, pois é tido como uma “aberração” pela Sociedade. Mas o erro cometido por aquela que tem a fama de ser perfeita acaba envolvendo Cássia num dilema: seguir à risca o que a Sociedade preparou para o seu futuro; ou o seu coração, que tende a disparar toda vez que ela vê os olhos azuis de Ky?

Enquanto a personagem tenta entender o que sente, a autora nos apresenta os membros de sua família: pais, irmão e avô. Impossível não sentir um afeto maior por eles, que se amam mesmo com toda a repressão e frieza sentimental imposta pela Sociedade. No entanto, com o decorrer da trama, torna-se perceptível que o relacionamento entre eles não é perfeito como deveria ser: todos guardam segredos e mentem quando necessário, mesmo correndo risco de punição. É este fato e a presença de Ky na vida de Cássia que irá contribuir com o enfraquecimento da noção de vida perfeita que a personagem tinha.

O início do livro é um tanto maçante, mas ele ganha um ritmo legal após as cinquenta primeiras páginas. Xander é deixado de lado por uns capítulos, o que me incomodou um pouco, mas quando o enredo começa a tomar forma e a passividade de Cássia cede espaço para uma curiosidade impulsiva e pela busca de conhecimento, o livro se torna mais atraente e a leitura bastante prazerosa.

O triângulo amoroso é um tanto passivo neste livro, com Xander cedendo seu brilho (*spoiler*) para o misterioso Ky com muita facilidade. Acredito que no segundo título da trilogia, “Travessia”, ele será mais bem desenvolvido, intensificando a pergunta mais instigante e clichê de todos os tempos: com quem a mocinha deve ficar?

Destino é um bom livro, digno de três ou quatro estrelas. Talvez faça alguém repensar a própria vida, mas acredito que ele se encaixa melhor na categoria entretenimento, uma leitura gostosa antes de dormir ou para passar o tempo nas férias.

Curiosidade: Existem algumas obras que tratam de uma temática semelhante, como Fahrenheit 451 de Ray Bradbury e um mais recente intitulado Delírio, de Lauren Oliver.

Daniele Marques

 

 

 

Uma poltrona macia, um balde de pipoca, alguns discos de vinil, umas revistas da Marvel e um encontro com Tarantino… De tudo um pouco ou nada disso