O que vem por aí – Toy Story 4 e Procurando Nemo 2

Para quem pensou que a clássica animação dos anos 90, Toy Story, tinha acabado com o Andy indo para a faculdade e seus brinquedos sendo doados, pode ficar tranquilo e COMEMORAR porque na manhã da última segunda feira (16/07), Tom Hanks confirmou em uma entrevista exclusiva para a rádio britânica BBC que os estúdios Pixar  estão produzindo um novo TOY STORY.

E para quem já ficou feliz com esta notícia, pode comemorar ainda mais porque foi confirmado Procurando Nemo 2 que será dirigido por Andrew Stanton (o mesmo diretor de Nemo e Wall-E de 2008). O lançamento está previsto para 2016.

Enquanto não lança Nemo II, vamos curtir o lançamento de Procurando Nemo em 3D que, no Brasil, entra em cartaz em 12 de outubro.

Agora resta esperar para saber como serão os enredos das animações.

Lembrando que Valente, a nova animação da Pixar, estréia nesta sexta-feira, dia 20, nos cinemas de todo o país.

Vinicius Hernandes

Anúncios

[Especial] Rock Nacional Anos 80 – Parte 3

Aqui, continuo (depois de muito tempo) o especial com a história do Rock Brasil dos anos 80. Conforme prometido, destacarei o período de 1984 a 1986, quando o rock nacional ganhava cada vez mais visibilidade na mídia.

Depois do lançamento do compacto, o Kid Abelha explodia nas paradas de sucesso e, com isso, naquele ano de 1984, a banda gravou o seu primeiro LP intitulado Seu Espião. Até hoje, o mais procurado da banda. Além da música-título, o álbum trazia sucessos como, Fixação, Como Eu Quero e as já conhecidas Porque Não Eu? e Pintura Íntima.

É lançado o primeiro e polêmico disco Phodas C, do cantor Léo Jaime. O disco foi durante muito tempo segurado pela gravadora CBS; uma pelo título e outra por causa das músicas. A canção de maior sucesso, Sônia, teve sua execução radiofônica proibida, fazendo com que o cantor e compositor fosse obrigado a gravar uma segunda versão para a mesma, um pouco mais light, mas ainda mantendo o duplo sentido.

Lobão, que já havia gravado um álbum solo, naquele ano, estava com uma banda, Os Ronaldos, integrada por Guto Barros, Baster Barros, Odeid Pomeranblum e Alice Pink Pank, ex – Gang 90 & as Absurdettes. Juntos, Lobão e os Ronaldos gravam o disco Ronaldo Foi Pra Guerra. As músicas Me Chama e Corações Psicodélicos, que estão no primeiro e único LP da banda, foram bem executadas na rádio.

Ritchie lança o álbum … E a Vida Continua…, com os hits Só Pra o Vento e Mulher Invisível, cujo videoclipe era bem inovador para a época, feito no estilo mini-filme de uns 6 minutos, mais ou menos, com vários cenários utilizados.

Infelizmente, os fãs do rock receberam uma triste notícia no ano de 1984: a morte do cantor Júlio Barroso, líder e compositor do grupo Gang 90 & as Absurdettes. Ele caiu do 11° andar, deixando o mistério, afinal ele caiu ou se jogou? O mais curioso nessa história é que sua cama ficava bem próxima à janela.

Sai o 3° disco do Barão Vermelho, Maior Abandonado, que tinha um dos maiores sucessos da banda, a música que dava nome ao álbum além do super hit Bete Balanço. Este foi o último antes da saída do vocalista, o icônico Cazuza.

O disco O Passo do Lui dos Paralamas do Sucesso, foi lançado também naquele ano, e foi com ele que a banda se popularizou. Apenas duas das dez músicas desse disco, não foram lançadas como hits, todas as restantes foram e até hoje são as mais tocadas da banda, como Meu Erro, Óculos, Ska e Assaltaram a Gramática, que teve a participação de Lulu Santos.

E por falar em Lulu Santos, o disco Tudo Azul foi o álbum que o artista lançou em 1984. Disco repleto de participações especiais como Os Paralamas do Sucesso, João Penca e Seus Miquinhos Amestrados, Rita Lee, Roberto de Carvalho, Erasmo Carlos nos vocais e Ritchie tocando Flauta em uma das músicas.

O grupo Titãs lança seu primeiro disco homônimo. Seu lançamento foi na boate Tifon em São Paulo. Do disco, a música Sonífera Ilha se tornou o maior sucesso, o que levou o grupo ao primeiro lugar nas paradas daquele ano. É nessa época que a banda passa por uma mudança também. O baterista André Jung muda de banda, entrando para o Ira!, o que foi coincidentemente uma troca, já que Charles Gavin, que havia saído do Ira!, entrou para os Titãs.

E no ano de 1985, o Ira! que além de mudar de baterista havia mudado o baixista, com Ricardo Gaspa substituindo Dino, lançou o disco Mudança de Comportamento. Um outro grande sucesso da banda foi a música Núcleo Base, um hino da banda.

E os Titãs, já com a nova formação, grava o disco Televisão, um clássico da banda. De acordo com entrevistas que os integrantes deram na época, o LP recebeu esse nome porque as faixas eram bem variadas, e cada uma lembrava um canal de TV.

O ano de 1985 começava bem para os garotos da banda Legião Urbana. Pois no primeiro dia daquele ano, era lançado o primeiro LP do grupo. Um disco homônimo com as canções Será, Ainda é Cedo e Geração Coca-Cola, essa última uma regravação da antiga banda de Renato Russo, o Aborto Elétrico.

Depois de um disco polêmico, o cantor Léo Jaime lança Sessão da Tarde, com músicas mais românticas. Dois sucessos intitularam filmes do qual ele participou, As Sete Vampiras e Rock Estrela. O disco também trazia o hit emblemático Fórmula do Amor com a participação do grupo Kid Abelha além de A Vida Não Presta e Solange que era uma versão em português do grupo Police, dedicada à censora Solange Hernandes, que proibiu muitas músicas na época.

É lançado o disco Circular do inglês naturalizado brasileiro Ritchie, o último disco na gravadora CBS. Destaque para a música Telenotícias.

Em 85 também é realizado o primeiro Rock in Rio. O festival que além de trazer grandes estrelas internacionais, reuniu os astros do rock brasileiro como Blitz, Kid Abelha, Lulu Santos, Paralamas do Sucesso, Eduardo Dusek e Barão Vermelho. Recentemente, a Som Livre lançou DVDs com as apresentações dos Paralamas e do Barão no evento.

Uma grande mudança no grupo Barão Vermelho aconteceu no ano de 1985. Seu vocalista, Cazuza deixava o grupo para seguir uma bem sucedida carreira solo. E já começava bem com o lançamento de seu primeiro LP, Exagerado.

Depois de dois compactos de sucesso nos anos anteriores, o grupo Ultraje a Rigor lança o seu clássico primeiro disco, Nós Vamos Invadir Sua Praia. Todas as músicas desse disco foram sucesso, sendo até hoje, um dos LPs mais procurados pelos fãs do rock nacional.

O grupo RPM lançou o disco Revolução por Minuto, com os sucessos Rádio Pirata e Loira Gelada. Nesse mesmo ano, lançaram a turnê Rádio Pirata com direção de Ney Matogrosso.

Enfim, depois de dois anos, o grupo Capital Inicial grava o compacto Descendo o Rio Nilo, que também trazia a música Leve Desespero. Isso impulsionou no ano seguinte, 1986, o lançamento do primeiro LP do grupo, intitulado com o nome da banda. Do compacto, apenas Leve Desespero entrou no disco. Outras canções como Fátima, Veraneio Vascaína e Música Urbana, (regravações do Aborto Elétrico) também se encontram no álbum.

Sai o terceiro disco do cantor Léo Jaime, Vida Difícilm que continha uma regravação de Mensagem de Amor dos Paralamas do Sucesso.

Naquel mesmo ano foi lançado o disco Cabeça Dinossauro dos Titãs, um dos ritos de passagem do rock nacional, como muitos dizem. Ainda que a música Bichos Escrotos que pertence a esse disco, tivesse sido censurada, as rádios da época preferiram pagar a multa, a deixar de executar a música.

Depois de alguns desentendimentos após do Festival Cidade Live Concert, o baixista do Kid Abelha, Leoni, sai do grupo e forma uma nova banda, os Heróis da Resistência e lançam o primeiro disco. Já o Kid Abelha lança o seu primeiro registro ao vivo em LP, que trazia regravações e a inédita Nada Por Mim, composição de Paula Toller e Herbert Vianna que já havia se tornado conhecida na voz da cantora Marina Lima.

Após a turnê Rádio Pirata ter sido um grande sucesso, ela é registrada em forma LP pela banda RPM, Rádio Pirata Ao Vivo, que bateu o recorde da época, vendendo 2,5 milhões de cópias.

Depois de seis anos juntos, a banda Blitz chega ao fim. Com isso, o vocalista Evandro Mesquita parte para a carreira solo.

Outro rito de passagem do rock acontece no ano de 1986; o disco Dois da Legião Urbana, trazendo uma enorme visibilidade à banda, fazendo com que a banda brasiliense tivesse um grande reconhecimento pelo país.

Aqui termina mais uma parte do especial do Rock Nacional Anos 80. Na próxima postagem focará nos últimos três anos da década. Mais alguns discos clássicos e momentos históricos serão destacados.

Aguardem!

Você pode ler as partes 1 e 2 do Especial Rock Nacional Anos 80 clicando aqui e aqui

Fonte: Revista MTV número 18 ano 2002 e Revista Show Bizz Especial anos 80 ano 1999

Adryz Herven

Bloggallerya: 1 Ano!

Tentaram nos derrubar

Mas juntos somos mais fortes!

Quem conseguiu nos deixar um dia inteiro fora do ar, não sabe com quem se meteu!

E, agora, nós vamos matar o Bill…

Bem, não o Bill. Na real a pessoa que tentou derrubar nosso blog… Explico melhor: No exato dia 9 de abril deste ano, alguém conseguiu tirar nosso blog do ar depois de várias denúncias acerca de spam e malware. Claro que a pessoa não agiu sozinha e chamou amiguinhas para denunciar o blog também. Mas como a blogueira-chefa é daquelas que pensa rápido, logo ela transferiu todo o conteúdo do blog (não só os textos, mas comentários também) para o próprio computador, exportou este conteúdo para outra plataforma ao mesmo tempo em que aguardava uma resposta do pessoal do WP a respeito do nosso blog. Se ele não retornasse ao ar por aqui, recorreríamos a outro servidor. Ufa!  No outro dia recebemos a resposta de que houve um engano e o blog foi acusado de estar “infectando” computadores por aí com vírus e etc… Mas que verificaram nosso blog, leram direitinho e não havia nada de errado. Portanto, quem tentou nos derrubar nadou, nadou… e morreu na praia. Na real, nem nadou e nem morreu na praia, se encontra perdido em um barquinho no meio do mar… Pobrezinha…

E como nos tirar do ar não deu certo, ela tentou uma vingança mais refinada. Nós achamos engraçado e esperamos um próximo ataque, super preocupados … huuuummm *boceja*

Podem vir que estamos te esperando… E daremos conta de você.

Chega de palhaçada! Hoje é dia de comemorar =D

Hoje, dia 4 de julho, o Bloggallerya completa 1 ano no ar e apenas um dia fora do ar devido à ação de recalcados *\o/* Unimos uma galera de blogueiros indisciplinados que não davam conta de manter individualmente um blog e aqui estamos! Um ano de muitos posts interessantes. Tá que não temos muuuuuitos posts, mas aqui privilegiamos a qualidade ao invés de quantidade e, modéstia à parte, temos um nível de qualidade alto por aqui com ótimos artigos e resenhas. E não somos os únicos a pensar isso, uma vez que já tem gente plagiando nossos textos por aí. Para dar um exemplo, já encontramos cópias de trechos inteiros da resenha de Instrumentos Mortais em outros blogs. Esse povo que não sabe escrever e fica plagiando os outros. Tsc tsc! Mas chega de falar dessa gente, poxa! Vamos comemorar, afinal é 1 ano de muita cultura, entretenimento, arte, diversão e nostalgia no ar!

Nós do Bloggallerya agradecemos às 7.000 visitas (inclusive internacionais) e aguardem novidades por aqui. Logo, mais duas blogueiras se unem a nós =) é motivo suficiente pra correr pro abraço e bebemorar! Vamos dançar que a noite é uma criança!

Bora todo mundo dançar kuduro! Oi Oi Oi!

Pessoal, valeu mesmo por esse 1 ano de Bloggallerya! Valeu ao pessoal que nos divulga pelo twitter e facebook (sempre temos uma boa média de compartilhamentos de posts em ambas as redes sociais), valeu por nos manterem nos seus favoritos e por todas as palavras de carinho que nos ajudam a prosseguir com o nosso espaço na web.

Os blogueiros indisciplinados do Bloggallerya agradecem! 😉

Nos sigam no twitter: @Bloggallerya

E na nossa página do Facebook: Bloggallerya 

Kevin Kelissy

Bons Filmes em Julho

Várias dicas interessantes estreando neste mês de julho. Para a galera fã de quadrinhos, obviamente, os filmes mais esperados são dois, o que abre e o que fecha o mês. Bora conferir o novo Homem-Aranha e a última parte da trilogia Batman do Nolan. Boas sessões 😉

o6/07

O Espetacular Homem-Aranha

13/07

Chernobyl

13/07

Na Estrada – On the Road

20/07

Valente

20/07

Marley

27/07

Batman: O Cavaleiro das Trevas Ressurge

Fonte: CinePop

Kevin Kelissy

O que vem por aí…

As Vantagens de Ser Invisível (The Perks of Being Wallflower) narra a história de Charlie, um garoto introspectivo que costuma relatar através de cartas, suas experiências para uma pessoa anônima. Dessa forma, o filme aborda temas genuinamente adolescentes, tanto os mais leves quanto os mais densos, como entrar no colegial, se apaixonar pela primeira vez, a descoberta da sexualidade, os primeiros contatos com drogas, entre outros. Baseado no livro homônimo lançado em 1999 e de autoria de Stephen Chbosky, a adaptação para os cinemas ficou nas mãos do próprio autor do livro que assina roteiro e direção.

No elenco, nomes de jovens atores que estão despontando nas telonas como Logan Lerman de Percy Jackson; Emma Watson, mais conhecida pelo papel de Hermione Granger, na mundialmente famosa série Harry Potter; e Nina Dobrev, a estrela da série de televisão The Vampire Diaries.

O filme tem previsão de estréia para setembro nos EUA e outubro no Brasil. Abaixo, você confere o trailer:

O Grande Gatsby é um dos livros da minha vida. Lançado em 1925, o emblemático livro de Scott Fitzgerald é um dos marcos da literatura americana. A nova adaptação para os cinemas – a quinta, para ser mais exata – do celebrado romance ficou a cargo do cool Baz Luhrman, diretor de Moulin Rouge e do sensacional Romeu + Julieta. Leia a sinopse oficial do filme:

“O Grande Gatsby acompanha o escritor aspirante Nick Carraway enquanto ele deixa o meio-oeste em direção a Nova York na primavera de 1922, uma época em que a moralidade tornava-se menos rígida, o jazz explodia e bebidas ilegais criavam impérios. Em busca de sua própria versão do Sonho Americano, Nick acaba vizinho de um misterioso milionário festeiro, Jay Gatsby, quando vai viver do outro lado da baia com sua prima, Daisy, e o marido dela, o filantropo de sangue-azul, Tom Buchanan. É nesse ambiente que Nick é atraído ao mundo cativante dos super-ricos, suas ilusões, amores e traições. Nick então usa essa experiência para escrever um conto de amores impossíveis, sonhos incorruptíveis e tragédias que espelha os nossos próprios tempos e conflitos”.

O filme conta com Leonardo DiCaprio como o personagem-título, Jay Gastby, além de Carey Mulligan e Tobey Maguire como Daisy Buchanan e Nick Carraway, respectivamente. O Grande Gatsby deve estrear em dezembro nos EUA e em janeiro por aqui.

Dá uma olhada no trailer:

Duas adaptações de livros. E por onde andam os roteiros originais…?

Andrizy Bento

Nan Goldin

Imagens da série The Balad of Sexual Dependency de Nan Goldin

Há diferentes formas de se encarar uma obra. Diferentes olhares. Não se trata exatamente de opinião fundamentada em conhecimentos estéticos e, sim, do que ela lhe transmite. Partindo desse ponto, entra-se, portanto, na questão de como se recebe a obra, o impacto que ela gera, como ela será compreendida por diferentes pessoas e diferentes meios.

A obra da fotógrafa norte-americana Nan Goldin é controversa. De um lado, defesas apaixonadas. De outro, críticas exaltadas. E o conflito entre esses dois lados acarreta discussões acerca de muito mais do que estética. O que está em pauta são aspectos morais, éticos, psicológicos.

Nan Goldin é uma voyeur com um olhar perspicaz que compreende a realidade na qual está inserida e, desse modo, registra, documenta e perpetua essa realidade por meio da fotografia. Nudez, sexo explícito, homossexualidade, uso de drogas compõe os registros de Goldin. A fotógrafa adentra terrenos pantanosos com suas imagens, retratando o submundo e tornando o íntimo, explícito, com uma total ausência de medo, pudor ou restrições em representar a dor e o sexo. Ela projeta em seu trabalho essencialmente a dor e indefinidamente o prazer, tornando-os, de certa forma, elementos intrínsecos.

Para muitos críticos e apreciadores do trabalho de Goldin, sua obra representa a fragilidade da substância humana, da essência dos relacionamentos, o isolamento social. Alguns vêem certa intenção de impactar. Outros vêem apenas uma necessidade de ir muito além da superfície e trazer profundidade aos temas retratados.

Para seus detratores e pessoas pouco habituadas a imagens de tal teor, seu trabalho remete instantaneamente à perversão e à violência, registros de pedofilia e depravação, exemplos de má-conduta.

Obviamente, o conteúdo de sua obra gerou controvérsias. No Brasil, a exposição com suas fotografias, cujo o Oi Futuro exibiria, foi censurada sob a alegação de não condizer com seu perfil  educativo e ferir o Estatuto da Criança e do Adolescente ao apresentar imagens de crianças nuas. Quando exibido no Museu de Arte Moderna do Rio de Janeiro (MAM-Rio), foi sob rigorosos cuidados e não permitido para menos de 18 anos. Além de que, uma equipe jurídica foi mobilizada para ficar de plantão durante os dias de exibição.

A própria fotógrafa, no entanto, define seu trabalho como um registro dos laços afetivos, das relações humanas.

O fato de ser compreendido por muitos como um trabalho sórdido, gratuito, degradante e apelativo talvez venha a refletir a alienação da sociedade que não está em sintonia com o que acontece ao seu redor.

Em tempos em que nem mesmo a fotografia reflete o real e sim o idealizado graças à eficiência do photoshop e a obsessão pelo status quo, Goldin quebra paradigmas, padrões estéticos e tabus não exatamente cultuando o submundo e figuras marginalizadas, mas registrando uma realidade que muitos preferem ignorar.

Vale a pena conhecer as séries “Heartbeat” (que retrata a dificuldade do relacionamento a dois, focado em cinco casais amigos próximos a Goldin), “The Other Side” (Sobre um grupo de transexuais, drag queens e travestis com os quais a fotógrafa conviveu por três anos durante sua adolescência nos anos 70) e a obra-prima “The Balad of Sexual Dependency” (composto de imagens realizadas entre 1981 e 1996, mostrando a vida real de um grupo de amigos de Goldin que decidiu viver à margem da cultura. Consumo de drogas, sexo e violência são os temas dominantes dessa coleção. A comunidade retratada nessa série, segunda a própria fotógrafa, não existe mais devido à Aids). Goldin classifica Balad como o trabalho de sua vida e este é realmente sensacional.

Fonte da imagem: http://ffw.com.br/noticias/cultura-pop/nan-goldin-finalmente-expoe-no-rio-desta-vez-sem-censura/

Andrizy Bento

Uma poltrona macia, um balde de pipoca, alguns discos de vinil, umas revistas da Marvel e um encontro com Tarantino… De tudo um pouco ou nada disso