Personalidade: Ritchie

Vejo a porta abrir

Muito além da Menina Veneno.

Provavelmente, quando se ouve falar em Ritchie, os versos da canção Menina Veneno, um dos grandes clássicos do rock nacional da década de 1980, são os primeiros a virem à cabeça. Também pudera, o mega sucesso de autoria do britânico naturalizado brasileiro, Ritchie (em parceria com o compositor Bernardo Vilhena), demorou apenas 20 minutos para ser finalizado, mas figura há mais de trinta anos no imaginário popular. Tornou-se daquelas canções inesquecíveis que todos já assoviaram, cantarolaram ou performaram no karaokê.

Todavia é injusto reduzir Ritchie à Menina Veneno quando o músico tem um repertório respeitável de canções que vão dos deliciosos hits radiofônicos Pelo Interfone, Casanova e A Vida Tem Dessas Coisas à maturidade das letras e sofisticação sonora das faixas de Auto-Fidelidade de 2002 (e Lágrimas Demais é um perfeito exemplo disso) e Outra Vez de 2009, passando pelas versões repaginadas de clássicos sessentistas de seu álbum 60. Além da voz, composições e arranjos notáveis que conquistaram admiradores fervorosos pelo Brasil inteiro, o músico nascido na Inglaterra, mas que vive há mais de quarenta anos no Brasil, tem muita história para contar.

Dizem por aí que, em parte, foi graças ao Ritchie que o portão do rock nacional – praticamente fechado nos anos 1970 – se abriu novamente na década de 1980, após o sucesso de suas primeiras músicas de trabalho.

Richard David Court nasceu no dia 6 de Março de 1952 em Beckenham, condado de Kent, no sul da Inglaterra. Porém, como era filho de militar, morou em diversos países durante a infância.

tumblr_ljpwdahmzZ1qhgslvo1_500

A paixão pela música surgiu desde muito cedo, pois quando criança, ele já cantava no coral de uma igreja na Alemanha. Conta ele que, na adolescência, tinha um rádio de pilha, no qual escutava rock às escondidas; o gênero responsável por despertar nele a vontade de tornar-se músico.

Em 1972, aos 20 anos, largou a literatura inglesa que cursava na universidade de Oxford para tocar flauta na banda Everyone Involved. Acreditem ou não, a banda contava com vinte integrantes. Naquele mesmo ano, conheceu a cantora Rita Lee e o produtor musical Liminha em Londres. Foi quando surgiu o famoso convite deles –  “pinta lá em casa” – para ele vir ao Brasil. Ritchie levou tão a sério que, para a sorte de muitos, desembarcou em nosso país ainda em 1972 e daqui não saiu mais. Primeiramente morou em São Paulo e, mais tarde, mudou-se para o Rio de Janeiro, onde permanece residindo até hoje. Inclusive casou-se com uma brasileira, a estilista Leda Zuccarelli, com quem tem duas filhas.

Assim começou a trabalhar efetivamente na área pela qual ele sempre foi apaixonado: a música. Durante os anos 1970 fez parte das bandas Scaladácida, A Barca do Sol e Vímana. Esta última é uma das mais lembradas dentre as que ele integrou ao lado dos também cantores Lobão e Lulu Santos. A banda também contava com Fernando Gama e Luis Paulo Simas em sua formação. O grupo gravou apenas o compacto Zebra, e também chegou a produzir um LP que, infelizmente, foi arquivado pela gravadora Som Livre, com a velha desculpa de que o rock brasileiro não tinha público.

5965530416_8dd18906eb

Em 1983 finalmente conquistou o sucesso absoluto com seu grande sucesso Menina Veneno. A canção repercutiu primeiramente na região nordeste do país para, mais tarde, seu êxito alastrar-se pelo Brasil todo, chegando a tocar 14 vezes por dia em várias emissoras de rádio, tornando-se a música mais tocada da década de 1980.

Pela gravadora CBS foi lançado o compacto com a música que ainda trazia a faixa Baby Meu Bem (Te Amo) no lado B. O single vendeu mais de 500 mil cópias, o que, na época, era considerado um recorde tendo em vista se tratar de um compacto simples. O sucesso da canção foi tanta que esta tornou-se conhecida até na nossa vizinha Argentina. Aproveitando o embalo, gravou uma versão em espanhol com o nome de Mi Niña Veneno, e fez uma turnê por alguns países da América do Sul.

Claro que, depois disso, finalmente ocorreu o lançamento de seu primeiro LP, Vôo de Coração, outro enorme êxito de vendas que vendeu mais de um milhão de cópias, sendo o disco mais comercializado no Brasil naquele ano. No ano de 1984, o músico ganhou o Troféu Imprensa de melhor cantor do ano e, a partir daí, teve vários de seus sucessos incluídos em trilhas sonoras de telenovelas.

Depois de Vôo de Coração, gravou mais dois discos pela CBS: E a Vida Continua de 1984 e Circular de 1985. Um ano depois, mudou para a gravadora Polygram, na qual gravou o single da música Transas que fez parte da trilha da novela Roda de Fogo, de 1986. O compacto ganhou o prêmio Troféu Villa Lobos por ser o mais vendido e a canção em si levou o prêmio de melhor música do ano no Troféu Imprensa. A faixa foi incluída no  álbum Loucura e Mágica, lançado em 1987. Ainda na Polygram, lançou mais dois discos solo: Pra Ficar Contigo de 1988 e Sexto Sentido de 1990.

10345554_498630330308454_3911554454995171212_n

Ao lado dos músicos Cláudio Zoli, Vinícius Cantuária, Dadi e da banda A Cor do Som e Billi Forghieri da Blitz, formou a banda Tigres de Bengala, em 1983, que gravou um único disco autointitulado.

Depois de alguns anos sem novidades (em 1995, gravou a música Um Homem em Volta do Mundo especialmente para trilha da novela Cara e Coroa e então sua carreira entrou em hiatus), finalmente, em 2002, lançou o álbum Auto-Fidelidade, cuja música de trabalho, Lágrimas Demais, também fez parte de uma trilha de novela Global: Agora que São Elas.

Em comemoração aos 25 anos do lançamento de Vôo de Coração, em 2008, gravou uma nova versão do álbum em CD, aproveitando para comemorar também os 25 anos de carreira, lançou o Outra Vez (Ao Vivo no Estúdio), seu primeiro álbum ao vivo, interpretando seus maiores sucessos e incluindo duas faixas inéditas no álbum: a música título e Cidade Tatuada.

581208_612982198768131_1616429803_n

Em 6 de Março de 2012, dia do seu aniversário de 60 anos, foi lançado o álbum 60, totalmente em inglês e cujas faixas tratavam-se de regravações de sucessos da década de 1960. De acordo com o próprio, as músicas escolhidas para integrar o repertório desse álbum, eram aquelas que ele ouvia em sua adolescência, na Inglaterra, e que não eram conhecidas no Brasil.

Além de seus próprios discos, participou dos álbuns de outros artistas, como no Velô de Caetano Veloso, de 1985; A Raça Humana de Gilberto Gil, de 1984 (disco que foi dedicado especialmente a ele); Meio Desligado do Kid Abelha, de 1994; Noite com Sol de Flávio Venturini, em 1994; e Nós Vamos Invadir Sua Praia do Ultraje a Rigor, em 1985. Em 2005, ele e outros músicos do cenário do rock nacional dos anos 1980, gravaram o DVD ao Vivo Multishow Anos 80. Atualmente, está participando de um projeto no qual interpreta músicas do cantor Paul Simons para o CD da banda Blacktie.

Além da música, teve participações em outra mídias. No cinema, participou do filme Garota Dourada, aonde apareceu interpretando ele mesmo, cantando a música Baby, Meu Bem (Te Amo) em um show em uma das últimas cenas do longa. Também participou de Running Out of Luck, ao lado do músico Mick Jagger, frontman dos Rolling Stones, e do ator Dennis Hopper. Em 2013, participou também da minissérie Destino Rio da HBO. A produção contava com elenco de não-atores, e Ritchie interpretou um executivo inglês.  Sem falar de sua paixão pela tecnologia, tendo trabalhado com web sound design. Sem dúvida, um artista de várias facetas.

São dez discos, quase trinta anos de carreira e um número considerável de grandes sucessos. Ritchie mantém um público cativo que o segue em suas redes sociais, sempre atentos e ansiosos por novos trabalhos. O músico não parou na década de 1980. Segue firme e forte com projetos dentro e fora do cenário musical, mas sempre se mostrando um artista interessante e sensível e, principalmente, que está muito além da Menina Veneno.

Adryz Herven
Colaboração e revisão: Andrizy Bento

Anúncios

2 opiniões sobre “Personalidade: Ritchie”

  1. Vou tomar a liberdade de usar uma frase de Cazuza para este texto pra lá de completo e muito bem lapidado pela Adryz: ” Eu vejo um museu com grandes novidades !!!! “. Sou Fã do Ritchie e muitos detalhes q estão neste texto sinceramente desconhecia, valeu mesmo Adryz, Parabéns !!!!!

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s