Personalidade: Pink

A primeira vez em que ouvi falar de Pink (também grafado como P!nk) foi no extinto Contato MTV. O então VJ, Edgard Piccoli, anunciava que surgia uma nova cantora no saturado cenário do pop mundial, já tão infestado por Britneys, Christinas, Mandys, Jennifers e Jessicas. Ela vinha como uma promessa. Diferentemente das outras cantoras com jeito de princesinhas, ela era rebelde, tinha o cabelo tingido de cor de rosa e apostava mais no R&B do que no pop dançante ou em músicas melosas que versavam sobre primeiro amor como as outras citadas. Suas coreografias também eram mais ousadas.

Continuar lendo Personalidade: Pink

Anúncios

[Catálogo: Clássicos] O Clube dos Cinco

o clube dos cinco 2

Don’t you forget about me. Hey, hey, hey, hey!

O melhor filme de John Hughes completa 30 anos em 2015, entretanto, continua refletindo questões tão atuais e pertinentes que os únicos elementos que o identificam como um filme dos anos 80 são os figurinos, modismos e referências pop. Os tempos e costumes mudaram, mas os anseios, receios, desejos e conflitos continuam os mesmos para qualquer geração de adolescentes. Ora, o companheirismo e o crescimento também são questões inerentes a todos nós em qualquer época da vida.

O Clube dos Cinco abre com um quote de David Bowie. “E essas crianças em que você cospe, enquanto elas tentam mudar o mundo delas, são imunes às suas consultas. Elas sabem muito bem o que está se passando”. Não tinha como não ser bom.

Continuar lendo [Catálogo: Clássicos] O Clube dos Cinco

Fanmade / Mashup: The Grand Overlook Hotel

Imaginem o quão hilariante seria o concierge Gustave de Ralph Fiennes sendo perseguido pelo lunático Jack Torrance de Jack Nicholson com seu machado em punho? Qual seria o resultado de um crossover entre o aclamado longa contemporâneo O Grande Hotel Budapeste e o clássico incontestável O Iluminado? Um sujeito que atende pelo nome Steve Ramsden decidiu promover o encontro entre Stanley Kubrick e Wes Anderson no genial mashup The Grand Overlook Hotel.

Continuar lendo Fanmade / Mashup: The Grand Overlook Hotel

[Catálogo: Clássicos] – A Viagem de Chihiro

Chihiro1

Tive certa dificuldade em categorizar este filme. Não sabia se inseria a tag Clássicos ou Especial. Mas a César o que é de César. A Viagem de Chihiro trata-se, incontestavelmente, de um clássico moderno.

O filme tem início com a mudança de Chihiro, uma garota de dez anos, e seus pais para outra cidade. E, como todos sabem, mudanças são difíceis. É necessário exercer o desapego e passar por todo um processo de adaptação, portanto, a garota se mostra relutante durante todo o caminho de carro até seu novo lar. Ao chegar ao seu destino, seu pai decide pegar um atalho e a família se depara com um lugar bastante misterioso. Trata-se de um túnel que os pais de Chihiro estão curiosos para saber aonde vai dar, enquanto a menina teme o que pode haver lá dentro e do outro lado. Ao atravessarem o túnel, eles se deparam com o que parece ser uma cidade abandonada. Mas a surpresa maior ainda está por vir: quando a escuridão cai sobre o lugar, este se mostra uma terra de sonhos. Aliás, de pesadelos, habitada por estranhas criaturas. Chihiro enfrenta uma dura e totalmente inesperada jornada – repleta de monstros, espíritos e outros seres fantásticos – para salvar seus pais e encontrar a saída daquele lugar tão exuberante quanto amedrontador.

Continuar lendo [Catálogo: Clássicos] – A Viagem de Chihiro

Mr. Robot

Mr_Robot_TV_Series-978107021-large

As emissoras de televisão norte-americanas tem um sonho: ser dona do hit da temporada e que esse hit vire ícone posteriormente. Sim, isso pode soar meio megalomânico, mas é a pura verdade. Todas querem ser a responsável pela nova LostHouve algumas tentativas e, talvez, o canal USA tenha lançado o mais novo candidato a fenômeno televisivo: Mr. Robot

Continuar lendo Mr. Robot

Scream (MTV)

MTV aposta no teen slasher, consagrado nos anos 90
MTV aposta no teen slasher, consagrado nos anos 90

No final dos anos 1970, durante toda a década de 1980 e em meados dos anos 1990, um gênero cinematográfico – com alguma variante – sempre esteve ali, marcando presença. Tratavam-se de filmes cujas tramas apresentavam um assassino em série, lunático, de alguma forma possuído, que sempre protagonizava uma carnificina sem controle. Esses títulos deram à história da sétima arte alguns personagens emblemáticos: Jason Voorhees (da série de filmes Sexta-Feira 13), Freddy Krueger (A Hora do Pesadelo), Michael Myers (Halloween) e Ghostface (Pânico).

Continuar lendo Scream (MTV)