Vencedores do SAG Awards – 2013

No último domingo, 27, o O Sindicato de Atores de Hollywood entregou o Screen Actors Guild Awards. A premiação é um eficaz termômetro do Oscar, uma vez que vários de seus membros votam em diversas categorias do prêmio da Academia. Abaixo você confere a lista de vencedores.

Jennifer Lawrence ganhou o prêmio de Melhor Atriz Protagonista por sua performance em O Lado Bom da Vida

Melhor elenco
Argo

Melhor ator protagonista
Daniel Day-Lewis – Lincoln

Melhor atriz protagonista
Jennifer Lawrence – O Lado Bom da Vida

Melhor ator coadjuvante
Tommy Lee Jones – Lincoln

Melhor atriz coadjuvante
Anne Hathaway – Os Miseráveis

Melhor time de dublês em filme
007 – Operação Skyfall

A britânica Downton Abbey ganhou o prêmio de Melhor Elenco em Série Dramática

Melhor elenco em série dramática
Downton Abbey

Melhor ator em série dramática
Bryan Cranston – Breaking Bad

Melhor atriz em série dramática
Claire Danes – Homeland

Melhor elenco em série cômica
Modern Family

Melhor ator em série cômica
Alec Baldwin – 30 Rock

Melhor atriz em série cômica
Tina Fey – 30 Rock

Melhor ator em minissérie ou telefilme
Kevin Costner – Hatfields & McCoys

Melhor atriz em minissérie ou telefilme
Julianne Moore – Game Change – Virada no Jogo

Melhor time de dublês em série de TV
Game of Thrones

Andrizy Bento

Anúncios

Belo Desastre – Jamie McGuire

Controverso e bem escrito, Belo Desastre tem arrancado elogios e críticas de jovens leitores de todo o Brasil. Lançado originalmente como e-book, o romance de Jamie McGuire se tornou rapidamente um dos mais vendidos do site Amazon. Por aqui, a obra se tornou sucesso na “blogosfera” e foi muito comentado nas redes sociais. As opiniões sobre ele oscilam entre “o melhor livro do ano de 2012” e “Deus me livre viver um amor assim”. O motivo?

Belo Desastre conta a história de Abby Abernathy, que acaba de entrar para a faculdade. Ela já teve seus anos rebeldes, mas tudo o que mais precisa e deseja agora é ser uma nova garota, e isso inclui ficar longe de confusões, bebidas alcoólicas e bad boys.  Mas quando ela conhece Travis Maddox, melhor lutador da área, violento e mulherengo (em outras palavras, tudo aquilo que ela queria e deveria ficar longe), fica difícil resistir.

Os personagens se conhecem durante uma luta vencida por Travis, num lugar pouco apropriado para a “nova Abby”, aquela que só deseja ser uma garota normal e desconhecida para a maioria. Ao som de socos e muita gritaria, eles se conectam imediatamente e, a partir daí, ficar perto um do outro é simplesmente inevitável. Tudo acontece muito naturalmente: a relação começa com uma simples amizade – com Abby sendo uma das poucas mulheres que Travis não tentou levar para a cama – mas aquela que realmente importa para ele. Isso deixa óbvio que ele a vê de uma maneira diferente, fato que Abby tenta, com todas as suas forças, não enxergar.

O papo “não quero estragar a amizade” também existe aqui, mas não são os clichês que fazem de Belo Desastre um dos livros mais comentados do momento. Os personagens são muito complexos e possuem seus próprios traumas, o que os torna completamente errados um para o outro, embora sejam completamente certos. Será que dá para entender?

Jamie, a autora, possui uma narrativa muito boa, que te faz ler o livro muito rápido, mesmo que você não esteja gostando da história. Ela construiu dois personagens confusos e controversos, cuja relação num capítulo lhe faz suspirar e no seguinte lhe deixa querendo jogar o livro na parede. Creio que o fato de Travis e Abby serem tão complicados é que fez a fama do livro, somado com o fato de eles serem muito palpáveis: Abby pode ser eu, você, e Travis pode ser aquele cara que você ama, mas que é muito difícil ficar junto. Acredito que é por isso também que várias jovens estão suspirando por ele, querendo viver um amor intenso e louco como o dos personagens: recheado de brigas intensas, mas com reconciliações quentes e amorosas.

Mas não se pode generalizar. Muitas mulheres querem passar longe de qualquer Travis Maddox, pois ele tem muitos defeitos e está longe de ser o príncipe encantado. Com seu jeito ciumento, dependente e controlador, ele consegue irritar. O relacionamento de Abby e Travis chega a ser um pouco doentio, a ponto de os próprios personagens chegarem à conclusão de que eles são um desastre juntos.

Acho que o título do livro define perfeitamente a essência da historia: Travis e Abby são um belo desastre: confusos, irritantes e extremamente sexys. É difícil classificá-lo com estrelas, visto que num minuto você o ama e no outro, o odeia. Eu o defino como “real”. Ninguém é perfeito, Travis e Abby também não são. Acho que é aí que se encontra o charme do romance de Jamie McGuire.

Daniele Marques

Preacher – Quadrinhos Revolucionários

Virou lugar-comum apontar os icônicos super-heróis de papel como um dos maiores símbolos da cultura pop ianque e, como as adaptações de quadrinhos de heróis se tornaram um dos negócios mais lucrativos do mercado cinematográfico da década passada pra cá, não é de se admirar que muitas vezes os quadrinhos americanos sejam reduzidos a essa referência por aqueles que conhecem a arte de maneira mais genérica. Mas a verdade é que as comics não se restringem apenas a super-heróis mascarados prontos para combater o crime, salvar o mundo, que se envolvem nas mais absurdas e peculiares situações.

O mainstream e o underground estão presentes não apenas na música e no cinema, mas também nos quadrinhos. Desse modo, existem tanto as HQs mais comerciais (geralmente os títulos de super-heróis), quanto uma linha mais alternativa dessa mídia (no caso, os quadrinhos para leitores maduros). É possível encontrar tanto em uma como na outra, produtos de qualidade. Mas é bom saber que há muito a ser explorado nessa cultura e que merece um pouco mais de investigação e pesquisa por parte daqueles que estão começando a se aventurar pelo universo da 9ª arte ou ainda se limitam apenas à leitura de HQs de super-heróis que, definitivamente, dominam o mercado e o imaginário popular.

Bons exemplos de quadrinhos alternativos de qualidade são Estranhos no Paraíso, Cerebus, Love and Rockets e Preacher.

Aliás, esse último é o que merece nossa atenção. Preacher é uma leitura que impacta pela subversão, violência gráfica e altas doses de humor negro.

Contando com o argumento de Garth Ennis e o belo traço de Steve Dillon, essa atípica road history narra as desventuras de Jesse Custer, um ex-pastor possuído pela entidade Gênesis, que nasceu da união entre um anjo e um demônio. A entidade lhe confere o poder de ser obedecido por quem quer que seja, como se sua voz fosse a própria palavra de Deus. Logo que os anjos do Paraíso ficam sabendo da fusão de Custer com a entidade, decidem matá-lo.

Jesse Custer é a própria personificação do anti-herói, apresentando características inerentes a essa figura, sempre bebendo e fumando demais. O ex-pastor acaba, por fim, encontrando um objetivo (estranho e enigmático) em sua vida: Tentar descobrir onde diabos Deus se meteu. Mas Custer não está sozinho nessa empreitada. Ao lado de sua amante Tulipa e do bizarro vampiro irlandês e alcoólatra Cassidy, ele parte em busca do Deus que renunciou seu posto.

A série foi publicada pelo selo Vertigo, uma divisão madurada da editora DC Comics, que lançou entre outras, as clássicas revistas do Monstro do Pântano, Sandman, V de Vingança e Watchmen. Foram sessenta e seis revistas regulares e seis edições especiais de Preacher, o que não tão curiosamente formam o número 666.

Com influências que vão dos bons e velhos westerns americanos até Quentin Tarantino, abusando da linguagem de baixo calão e violência crua e extrema, a série chegou a ser chamada de misógina e satanista. Não é de se surpreender uma vez que sempre surgem mal-entendidos e alegações infundadas como estas quando não se capta a real mensagem da obra.

Além de uma história sobre a fé, Preacher é o reflexo de uma jornada de companheirismo e uma poderosa crítica social. Fora a indagação bastante pontual: Onde Deus foi parar?

Vale a pena escavar melhor o universo das histórias em quadrinhos e descobrir preciosidades como essas. Leituras maduras, críticas, com profundidade, que transmitem mensagens interessantes e pertinentes e são conduzidas de maneira inteligente e inovadora. Também vale para perceber que quadrinhos americanos são mais do que apenas heróis encapuzados, nerds em conflito com seu alterego, jovens equipes de heróis, justiceiros milionários que levam vida dupla e patriotas  imbatíveis.

Andrizy Bento

Indicados ao Bafta / Vencedores do Critics Choice Awards

Indicados ao BAFTA (British Academy of Film and Television Arts):

Melhor Filme
A Hora Mais Escura
Lincoln
Argo
Os Miseráveis
As Aventuras de Pi

Melhor Diretor
Kathryn Bigelow | A Hora Mais Escura
Ben Affleck | Argo
Ang Lee | As Aventuras de Pi
Michael Haneke | Amour
Quentin Tarantino | Django Livre

Melhor Ator
Daniel Day-Lewis | Lincoln
Hugh Jackman | Os Miseráveis
Bradley Cooper | O Lado Bom da Vida
Joaquin Phoenix | O Mestre
Ben Affleck | Argo

Melhor Atriz
Jennifer Lawrence | O Lado Bom da Vida
Jessica Chastain | A Hora Mais Escura
Emmanuelle Riva | Amour
Marion Cotillard | Ferrugem E Osso
Helen Mirren | Hitchcock

Melhor Ator Coadjuvante
Tommy Lee Jones | Lincoln
Philip S.Hoffman | O Mestre
Alan Arkin | Argo
Robert Deniro | O Lado Bom da Vida
Javier Bardem | Skyfall

Melhor Atriz Coadjuvante
Anne Hathaway | Os Miseráveis
Sally Field | Lincoln
Helen Hunt | As Sessões
Amy Adams | O Mestre
Judi Dench | Skyfall

Melhor Roteiro Original
A Hora Mais Escura
Moonrise Kingdom
O Mestre
Django Livre
Amour

Melhor Roteiro Adaptado
Lincoln
O Lado Bom da Vida
Argo
Indomável Sonhadora
As Aventuras de Pi

Melhor Direção de Arte
Anna Karenina
Os Miseráveis
Lincoln
As Aventuras de Pi
Skyfall

Melhor Fotografia
Skyfall
As Aventuras de Pi
Lincoln
Os Miseráveis
Anna Karenina

Melhor Figurino
Anna Karenina
Os Miseráveis
Lincoln
Branca de Neve e o Caçador
Great Expectations

Melhor Montagem
A Hora Mais Escura
Argo
As Aventuras de Pi
Skyfall
Django Livre

Melhor Maquiagem
Lincoln
O Hobbit: Uma Jornada Inesperada
Os Miseráveis
Hitchcock
Anna Karenina

Melhor Trilha Sonora
As Aventuras de Pi
Lincoln
Argo
Anna Karenina
Skyfall

Melhor Som
Os Miseráveis
Skyfall
As Aventuras de Pi
Django Livre
O Hobbit: Uma Jornada Inesperada

Melhor Efeitos Visuais
As Aventuras de Pi
O Hobbit: Uma Jornada Inesperada
Os Vingadores
Prometheus
Batman: O Cavaleiro das Trevas Ressurge

Melhor Filme de Animação
Frankenweenie
Paranorman
Valente

Melhor Filme Estrangeiro
Amour | Michael Haneke – Áustria
Headhunters | Morten Tyldum – Noruega
A Caça | Thomas Vinterberg – Dinamarca
Intocáveis | E.Toledano & O.Nakache – França
Ferrugem E Osso | Jacques Audiard – França

Melhor Documentário
The Imposter
Marley
Mccullin
Searching For Sugar Man
West Of Memphis

Vencedores do Critics Choice Awards

Melhor filme
Argo

Melhor diretor
Ben Affleck, Argo

Melhor ator
Daniel Day-Lewis, Lincoln

Melhor atriz
Jessica Chastain, A Hora Mais Escura

Melhor atriz coadjuvante
Anne Hathaway, Os Miseráveis

Melhor ator coadjuvante
Philip Seymor Hoffman, O Mestre

Melhor elenco
O Lado Bom da Vida

Melhor direção de arte
Anna Karenina

Melhor fotografia
As Aventuras de Pi

Melhores efeitos visuais
As Aventuras de Pi

Melhor canção original
Skyfall, 007 – Operação Skyfall

Melhor trilha sonora original
John Williams, Lincoln

Melhor documentário
Searching For Sugar Man

Melhor filme de comédia
O Lado Bom da Vida

Melhor ator em comédia
Bradley Cooper, O Lado Bom da Vida

Melhor atriz em comédia
Jennifer Lawrence, O Lado Bom da Vida

Melhor jovem ator/atriz
Quvenzhané Wallis, Indomável Sonhadora

Melhor roteiro original
Quentin Tarantino, Django Livre

Melhor roteiro adaptado
Tony Kushner (Lincoln)

Melhor filme estrangeiro
Amor (Áustria), de Michael Haneke

Melhor animação
Detona Ralph

Melhor filme de ficção científica ou terror
Looper – Assassinos do Futuro

Melhor filme de ação
007 – Operação Skyfall

Melhor atriz em filme de ação
Jennifer Lawrence, Jogos Vorazes

Melhor ator em filme de ação
Daniel Craig, 007 – Operação Skyfall

Kevin Kelissy

Awards Season (Temporada de Premiações): Prêmios da Crítica – Parte 2

Jennifer Lawrence e Bradley Cooper em O Lado Bom da Vida

Detroit Film Critics Awards | 2012

Melhor Filme: O Lado Bom da Vida
Melhor Diretor: David O. Russell | O Lado Bom da Vida
Melhor Ator: Daniel Day-Lewis | Lincoln
Melhor Atriz: Jennifer Lawrence | O Lado Bom da Vida
Melhor Ator Coadjuvante: Robert Deniro | O Lado Bom da Vida
Melhor Atriz Coadjuvante: Anne Hathaway | Os Miseráveis
Melhor Roteiro: O Lado Bom Da Vida | David O. Russell
Melhor Documentário: Jiro Dreams Of Sushi
Melhor Elenco: Lincoln

Las Vegas Film Critics | 2012

Melhor Filme: As Aventuras de Pi
Melhor Diretor: Ang Lee | As Aventuras de Pi
Melhor Ator: Daniel Day-Lewis | Lincoln
Melhor Atriz: Jennifer Lawrence | O Lado Bom da Vida
Melhor Ator Coadjuvante: Tommy Lee Jones | Lincoln
Melhor Atriz Coadjuvante: Anne Hathaway | Os Miseráveis
Melhor Roteiro: Looper | Rian Johnson
Melhor Direção de Arte: Prometheus | Arthur Max
Melhor Fotografia: As Aventuras de Pi | Claudio Miranda
Melhor Figurino: Anna Karenina | Jacqueline Durran
Melhor Montagem: A Hora Mais Escura | Dylan Tichenor
Melhor Trilha Musical: As Aventuras de Pi | Mychael Danna
Melhor Efeitos Visuais: As Aventuras de Pi
Melhor Canção: “Skyfall” | Skyfall
Melhor Filme Estrangeiro: Amour | Michael Haneke – Áustria
Melhor Documentário: Bully
Melhor Filme de Animação: Paranorman

Chicago Film Critics | 2012

Melhor Filme: A Hora Mais Escura
Melhor Diretor: Kathryn Bigelow | A Hora Mais Escura
Melhor Ator: Daniel Day-Lewis | Lincoln
Melhor Atriz: Jessica Chastain | A Hora Mais Escura
Melhor Ator Coadjuvante: Philip S.Hoffman | O Mestre
Melhor Atriz Coadjuvante: Amy Adams | O Mestre
Melhor Roteiro Original: A Hora Mais Escura | Mark Boal
Melhor Roteiro Adaptado: Lincoln | Tony Kushner, John Logan & Paul Webb
Melhor Desenho de Produção: Moonrise Kingdom | Adam Stockhausen
Melhor Fotografia: O Mestre | Mihai Malaimare Jr.
Melhor Montagem: A Hora Mais Escura | Dylan Tichenor
Melhor Trilha Musical: O Mestre | Jonny Greenwood
Melhor Filme Estrangeiro: Amour | Michael Haneke – Áustria
Melhor Documentário: The Invisible War | Kirby Dick
Melhor Filme de Animação: Paranorman

Ben Affleck em cena de Argo

Southeastern Films Critics | 2012

Melhor Filme: Argo
Melhor Diretor: Ben Affleck | Argo
Melhor Ator: Daniel Day-Lewis | Lincoln
Melhor Atriz: Jennifer Lawrence | O Lado Bom da Vida
Melhor Ator Coadjuvante: Philip S.Hoffman | O Mestre
Melhor Atriz Coadjuvante: Anne Hathaway | Os Miseráveis
Melhor Roteiro Original: Moonrise Kingdom | Wes Anderson & Roman Coppola
Melhor Roteiro Adaptado: Argo | Chris Terrio
Melhor Fotografia: As Aventuras De Pi | Claudio Miranda
Melhor Filme Estrangeiro: Intocáveis | E.Toledano & O.Nakache – França
Melhor Documentário: Queen Of Versailles
Melhor Filme de Animação: Paranorman

Indiana Film Critics Awards | 2012

Melhor Filme: Safety Not Guarantee
Runner-Up: Indomável Sonhadora
Melhor Diretor: Quentin Tarantino | Django Livre
Runner-Up: Kathryn Bigelow | A Hora Mais Escura
Melhor Ator: Daniel Day-Lewis | Lincoln – Bradley Cooper | O Lado Bom da Vida
Melhor Atriz: Jessica Chastain | A Hora Mais Escura
Runner-Up: Jennifer Lawrence | O Lado Bom da Vida
Melhor Ator Coadjuvante: Tommy Lee Jones | Lincoln
Runner-Up: Christoph Waltz | Django Livre
Melhor Atriz Coadjuvante: Anne Hathaway | Os Miseráveis
Runner-Up: Helen Hunt | As Sessões
Melhor Roteiro Original: Safety Not Guarantee
Runner-Up: Django Livre | Quentin Tarantino
Melhor Roteiro Adaptado: As Vantagens de Ser Invisível | Stephen Chbosky
Runner-Up: O Lado Bom da Vida | David O. Russell
Melhor Trilha Musical: Skyfall | Thomas Newman
Runner-Up: As Aventuras de Pi | Mychael Danna
Melhor Documentário: Searching For Sugar Man | Malik Bendjelloul
Runner-Up: O Labirinto de Kubrick
Melhor Filme de Animação: A Origem dos Guardiões | Dreamworks Animation
Runner-Up: Paranorman

St. Louis Gateway Critics Awards | 2012

Melhor Filme: Argo
Melhor Diretor: Ben Affleck | Argo
Melhor Ator: Daniel Day-Lewis | Lincoln
Melhor Atriz: Jessica Chastain | A Hora Mais Escura
Melhor Ator Coadjuvante: Christoph Waltz | Django Livre
Melhor Atriz Coadjuvante: Helen Hunt | As Sessões – Ann Dowd | Compliance
Melhor Roteiro Original: A Hora Mais Escura | Mark Boal
Melhor Roteiro Adaptado: Lincoln | Tony Kushner, John Logan & Paul Webb – O Lado Bom da Vida | David O. Russell
Melhor Fotografia: Skyfall | Roger Deakins
Melhor Trilha Musical: Django Livre – Moonrise Kingdom
Melhor Efeitos Visuais: As Aventuras De Pi
Melhor Documentário: Searching For Sugar Man | Malik Bendjelloul
Melhor Filme de Animação: Detona Ralph

Joaquin Phoenix em O Mestre

San Francisco Film Critics Circle | 2012

Melhor Filme: O Mestre
Melhor Diretor: Kathryn Bigelow | A Hora Mais Escura
Melhor Ator: Joaquin Phoenix | O Mestre
Melhor Atriz: Emmanuelle Riva | Amour
Melhor Ator Coadjuvante: Tommy Lee Jones | Lincoln
Melhor Atriz Coadjuvante: Helen Hunt | As Sessões
Melhor Roteiro Original: A Hora Mais Escura | Mark Boal
Melhor Roteiro Adaptado: Lincoln | Tony Kushner, John Logan & Paul Webb
Melhor Desenho De Produção: Moonrise Kingdom | Adam Stockhausen
Melhor Fotografia: As Aventuras de Pi | Claudio Miranda
Melhor Montagem: Argo | William Goldenberg
Melhor Documentário: The Waiting Room
Melhor Filme de Animação: Paranorman

Austin Film Critics | 2012

Melhor Filme: A Hora Mais Escura
Melhor Diretor: Paul Thomas Anderson | O Mestre
Melhor Ator: Joaquin Phoenix | O Mestre
Melhor Atriz: Jennifer Lawrence | O Lado Bom da Vida
Melhor Ator Coadjuvante: Christoph Waltz | Django Livre
Melhor Atriz Coadjuvante: Anne Hathaway | Os Miseráveis
Melhor Roteiro Original: Looper | Rian Johnson
Melhor Roteiro Adaptado: Argo | Chris Terrio
Melhor Fotografia: O Mestre | Mihai Malaimare Jr.
Melhor Trilha Musical: A Viagem | Reinhold Heil & Johnny Klimek
Melhor Filme Estrangeiro: Holy Motors | França
Melhor Documentário: The Imposter | Bart Layton
Melhor Filme de Animação: Detona Ralph
Melhor Filme de Estréia: Indomável Sonhadora
Melhor Interpretação De Estréia: Quvenzhané Wallis | Indomável Sonhadora

Dallas Film Critics | 2012

Melhor Filme: Lincoln
Melhor Diretor: Kathryn Bigelow | A Hora Mais Escura
Melhor Ator: Daniel Day-Lewis | Lincoln
Melhor Atriz: Jessica Chastain | A Hora Mais Escura
Melhor Ator Coadjuvante: Tommy Lee Jones | Lincoln
Melhor Atriz Coadjuvante: Sally Field | Lincoln
Melhor Roteiro: A Hora Mais Escura | Mark Boal
Melhor Fotografia: As Aventuras De Pi | Claudio Miranda
Melhor Filme de Animação: Paranorman
Melhor Filme Estrangeiro: Amour | Michael Haneke – Áustria
Melhor Documentário: Searching For Sugar Man | Malik Bendjelloul

As Aventuras de Pi

Florida Film Critics Circle | 2012

Melhor Filme: Argo
Melhor Diretor: Ben Affleck | Argo
Melhor Ator: Daniel Day-Lewis | Lincoln
Melhor Atriz: Jessica Chastain | A Hora Mais Escura
Melhor Ator Coadjuvante: Philip S.Hoffman | O Mestre
Melhor Atriz Coadjuvante: Anne Hathaway | Os Miseráveis
Melhor Roteiro Original: Looper | Rian Johnson
Melhor Roteiro Adaptado: Argo | Chris Terrio
Melhor Direção De Arte: Anna Karenina | Sarah Greenwood
Melhor Fotografia: Skyfall | Roger Deakins
Melhor Efeitos Visuais: As Aventuras de Pi
Melhor Filme Estrangeiro: Intocáveis | E.Toledano & O.Nakache – França
Melhor Documentário: Queen Of Versailles
Melhor Filme de Animação: Frankenweenie

Toronto Film Critics | 2012

Melhor Filme: O Mestre
Melhor Diretor: Paul Thomas Anderson | O Mestre
Melhor Ator: Denis Lavant | Holy Motors
Melhor Atriz: Rachel Weisz | The Deep Blue Sea
Melhor Ator Coadjuvante: Philip S.Hoffman | O Mestre
Melhor Atriz Coadjuvante: Gina Gershon | Killer Joe – Assassino de Aluguel
Melhor Roteiro: O Mestre | Paul Thomas Anderson
Melhor Documentário: Stories We Tell | Sarah Polley
Melhor Filme Estrangeiro: Amour | Michael Haneke – Áustria
Melhor Filme de Animação: Paranorman

Andrizy Bento

Aprendendo a Seduzir – Patricia Cabot

Nas férias ou nos dias de folga, um livro romântico e divertido pode ser uma boa pedida para quem quer passar o tempo e relaxar ao lado de uma boa história. Aprendendo a Seduzir (Educating Caroline, 1998), de Patrícia Cabot, é esse tipo de livro. Contei em outro post um pouco sobre o pseudônimo da Meg Cabot, a diva das adolescentes românticas que, antes de entrar para o mundo das princesas, escrevia ficções adultas e apimentadas.

Neste livro temos Lady Caroline Linford, jovem de 21 anos que está noiva de Hurst Slater, o marquês de Winchilsea. Ele é galante, charmoso, educado e herói. Aparentemente, o cara perfeito com o beijo perfeito, até Caroline o flagrar na cama com Lady Jaquelyn, a noiva de Braden Granville, novo rico e maior libertino de Londres.

Sem saber o que fazer, não tendo forças para desmascará-los, mas ao mesmo tempo não querendo manter o noivado, Caroline busca a ajuda da mãe, que, querendo evitar um escândalo, aconselha que ela descubra como conquistar um homem através de seus dotes físicos, assim seu noivo não precisaria ter esse tipo de aventura. Sendo assim, Caroline acaba indo pedir ajuda àquele que, como ela, estava sendo traído: com todas as letras, a personagem pede que Braden Granville lhe ensine (teoricamente, é claro) a fazer amor.

Logo no início, fica claro que aulas teóricas não serão suficientes para Braden e Caroline, que se conectam imediatamente. Aos poucos, a personagem vai entendendo que há muito sobre o amor que ela não sabe e se desencantando por Hurst. Enquanto isso, Braden, que no início é descrito por ela como feio e perigoso, começa a lhe parecer belo e deliciosamente atraente. É partir daí que o leitor começa a implorar (literalmente, no meu caso) pelos capítulos onde são narradas as aulas.

Para Cabot, só tenho elogios. A história é deliciosa, romântica, divertida e os personagens são muito bem descritos. Caroline, apesar de não saber praticamente nada da vida, se mostra decidida e mente aberta. Sua melhor amiga, Emily, é uma feminista adorável e Braden foi um dos personagens que mais adorei conhecer. Em contrapartida, Hurst e Jaquelyn são completamente irritantes. Mas a única crítica que faço à história em si é o final. Ele não é ruim, mas é muito atropelado.

Quanto à tradução e edição… Péssimas! Eu nunca li um livro tão mal editado em toda a minha vida. Não sei se ele foi preparado às pressas (já que livros com temática hot estão na moda e a editora precisa vender) ou se foi feito com descaso (ele não está na lista dos mais vendidos e data de 1998), mas a editora deveria tomar mais cuidado, pois tem passagens que são praticamente impossíveis de entender. Sem falar nos erros de concordância e digitação.

Nos sites das livrarias Saraiva e Cultura, você o encontra por R$39,90, mas o meu exemplar foi adquirido numa promoção maravilhosa na livraria Leitura por R$9,90.

Em resumo, Aprendendo a Seduzir é mais hot e divertido que Pode Beijar a Noiva, da mesma autora. Se tivesse que escolher entre eles, este seria o favorito, sem dúvidas. Nota 10 para a história, mas nota 0 para a edição.

Daniele Marques