Pode Beijar a Noiva – Patrícia Cabot

Numa época em que livros e contos eróticos estão na moda, Meg Cabot, a diva das histórias sobre princesas modernas (e aqui, nada tem a ver com a Sarah Sheeva) e dos livros voltados para o público infanto-juvenil, pode ser, surpreendentemente, uma boa pedida para os jovens que querem se entreter com este universo hot e, ao mesmo tempo, romântico, que está fazendo a cabeça do público leitor de todo o mundo.

Patrícia Cabot é o pseudônimo que Meg utilizou para assinar seus livros voltados para o público jovem/adulto, e um deles é o Pode Beijar a Noiva. Ele conta a história de Emma Van Court, dama londrina que, totalmente apaixonada pelo jovem Stuart, resolve fugir e se casar com ele mesmo tendo consciência de que sua vida muito dificilmente terá conforto financeiro.

Seis meses após o casório, Stuart morre (de uma maneira um tanto bizarra) e Emma se vê sozinha numa cidade pequena e pouco desenvolvida, morando numa cabana em condições precárias ao lado de uma cadela e um galo fujão. Misteriosamente, entretanto, ela passa a ter direito a uma grande herança caso volte a se casar, o que faz com que os marmanjos de todo o vilarejo se interesse por ela. Aliás, pelo seu dinheiro.

James Marbury, primo de Stuart e dono da fúria de Emma, vai até o vilarejo sem planos de vê-la, mas o destino prega-lhe uma peça. Ao encontrá-la em uma situação precária e cercada de homens querendo sua herança, James, que não precisa de dinheiro, pois é o Conde de Denham, se oferece como marido temporário de Emma, apenas para liberar a herança de que é era dona e, posteriormente, ele próprio resolverá tudo para a anulação do casamento, já que não irão consumar a união. Teoricamente.

O que podemos encontrar em Pode beijar a noiva é um típico romance “sessão da tarde” com pitadas de “tela quente”. Emma e James são divertidos juntos e Patrícia/Meg se esforçou para deixar algumas passagens engraçadas. O casal tem muita química e os capítulos destinados aos beijos apaixonados e ao sexo foram muito bem feitos (e detalhados!). Confesso que esse fato me pegou um pouco de surpresa, esperava por algo mais “infantil”, talvez por preconceito ou pela própria forma de pensar de Emma, que chega a ser chata no início do livro.

O amor que ela sente por Stuart é mostrado de forma breve (já que o próprio era contra demonstrações físicas de afeto dentre outras coisas), o que torna difícil a existência de “teams”, frequentes nos romances atuais. Stuart também é morno, enquanto Emma tinha uma alma “devassa”, como a própria diz. É com James que a personagem encontra a fusão entre a melhor e a pior parte de si mesma. Emma “devassa” é muito mais divertida do que a Emma “caridosa”, embora as duas estejam presentes em toda a trama.

Quem já está acostumado com literatura erótica (o que não é o meu caso) com certeza vai achar as relações sexuais entre Emma e James fracas e “sem sal”, mas para aqueles que ainda estão iniciando no gênero e curtem um bom romance, Pode beijar a noiva é totalmente indicado.

Daniele Marques

Anúncios

Destino – Ally Condie

Imagine viver num lugar onde tudo é totalmente controlado de acordo com o que o governo planeja para você: profissão, casamento, filhos, alimentação, diversão e até mesmo morte. O controle é absoluto, sem erros, ilusões e outros caminhos a serem seguidos. É assim que a Sociedade de Destino (Matched) mantém todos os habitantes das províncias sob suas normas.

É nesse lugar que vive Cássia Maria Reyes, personagem principal da obra de Ally Condie. Ela acaba de completar 17 anos e, por este motivo, deve comparecer ao conceituado e bastante aguardado “Banquete do Par”, onde irá conhecer seu futuro marido, aquele com quem deverá viver o resto da vida. Ele fora escolhido pela Sociedade: seu porte físico, suas características psicológicas, tudo milimetricamente controlado para que ele se relacione perfeitamente com Cássia, e para que juntos gerem crianças saudáveis (é dessa forma, aliás, que a Sociedade eliminou doenças que matavam muita gente antes de seu controle).

Mas para a surpresa de todos e da própria personagem, o par escolhido para ela vive na sua província, o que é raro de acontecer. O caso se torna ainda mais incomum quando Cássia descobre que o homem nomeado para ser seu, nada mais é que seu melhor amigo, Xander Thomas Carrow.

Cássia e Xander passam a ser vistos como pessoas de sorte, pois, na maioria dos casos, os pares são formados com gente que nunca se viu antes, geralmente moradores de províncias diferentes. Mas nem tudo acontece perfeitamente como o planejado: o “microcartão” recebido por Cássia, onde ela pode ter acesso ao seu par e suas principais características (como se já não as conhecesse perfeitamente), demonstra um funcionamento incomum: não é o rosto de Xander que aparece na tela e sim o de Ky, outro morador da província que ela também conhece.

Além de Ky não ser seu par, ele jamais deveria ter sido considerado um, pois é tido como uma “aberração” pela Sociedade. Mas o erro cometido por aquela que tem a fama de ser perfeita acaba envolvendo Cássia num dilema: seguir à risca o que a Sociedade preparou para o seu futuro; ou o seu coração, que tende a disparar toda vez que ela vê os olhos azuis de Ky?

Enquanto a personagem tenta entender o que sente, a autora nos apresenta os membros de sua família: pais, irmão e avô. Impossível não sentir um afeto maior por eles, que se amam mesmo com toda a repressão e frieza sentimental imposta pela Sociedade. No entanto, com o decorrer da trama, torna-se perceptível que o relacionamento entre eles não é perfeito como deveria ser: todos guardam segredos e mentem quando necessário, mesmo correndo risco de punição. É este fato e a presença de Ky na vida de Cássia que irá contribuir com o enfraquecimento da noção de vida perfeita que a personagem tinha.

O início do livro é um tanto maçante, mas ele ganha um ritmo legal após as cinquenta primeiras páginas. Xander é deixado de lado por uns capítulos, o que me incomodou um pouco, mas quando o enredo começa a tomar forma e a passividade de Cássia cede espaço para uma curiosidade impulsiva e pela busca de conhecimento, o livro se torna mais atraente e a leitura bastante prazerosa.

O triângulo amoroso é um tanto passivo neste livro, com Xander cedendo seu brilho (*spoiler*) para o misterioso Ky com muita facilidade. Acredito que no segundo título da trilogia, “Travessia”, ele será mais bem desenvolvido, intensificando a pergunta mais instigante e clichê de todos os tempos: com quem a mocinha deve ficar?

Destino é um bom livro, digno de três ou quatro estrelas. Talvez faça alguém repensar a própria vida, mas acredito que ele se encaixa melhor na categoria entretenimento, uma leitura gostosa antes de dormir ou para passar o tempo nas férias.

Curiosidade: Existem algumas obras que tratam de uma temática semelhante, como Fahrenheit 451 de Ray Bradbury e um mais recente intitulado Delírio, de Lauren Oliver.

Daniele Marques

 

 

 

Life on Mars – Descoberta durante um hiatus

Olá.

É engraçado, para mim, definir ou escrever algo sobre séries. As vejo há tanto tempo que nem sei precisar quanto. Será que a primeira foi Barrados no Baile ou Profissão Perigo? A verdade é que eu sempre as amei e na verdade não imaginaria minha vida sem elas.

Por causa dessa paixão que eu recebi o convite pra escrever nesse espaço. E espero que nos divirtamos bastante.

A paixão seriemaniaca pode ser dividida em pré-banda larga e pós-banda larga. O advento da internet rápida nos apresentou a um mundo perfeito que tornou possível o compartilhamento de arquivos. Os antes reféns da TV, agora tinham a sua disposição tudo o que o mundo seriemaniaco amava e tinha a oferecer. Episódios e mais episódios.

Nos familiarizamos com termos até então desconhecidos: temporada, audiência, demo, summer season e um dos mais temidos por qualquer seriemaniaco: o hiatus. E talvez o mais temido de todos, a sombra do cancelamento.

A verdade é que entra ano e sai ano e você sempre promete que, naquela temporada, não vai incluir nada no seu imenso menu de series. Mas a verdade (não conta pra ninguém, é um segredo só nosso): Eu não resisto a um bom piloto.

Não  vou fazer nenhuma lista de bons pilotos. Listas não agradam ninguém! Porque simplesmente não existe um lugar comum. Alguém sempre vai discordar.

Então, para inaugurar esse espaço, vou falar de uma experiência vivida  por mim há algum tempo.

Acreditem se quiser, eu, a seriadora inveterada e shippermaniaca, estava em crise. Vivíamos o tempo entre maio e setembro, quando as series americanas geralmente entram em hiatus (preparem-se que esse termo vai aparecer muito por aqui na coluna de séries). As series de verão não eram atrativas. Resumo da ópera: eu estava em desespero, não existia nada de bom pra ver.

Lendo o legendado da Claudia Croitor, encontrei a recomendação de uma serie da BBC, Life on Mars. A historia tem um dos plots mais incríveis de que já ouvi falar.

Um policial tem sua namorada sequestrada pelo seu pior inimigo. O bandido que ele perseguia na época. Voltando para a delegacia, ele sofre um acidente. E o gancho da  história surge. Sam, o policial, acorda em 1973. Ele esta morto ou está em coma? Será que ele conseguirá de alguma forma voltar para casa? Como um policial do século XXI vai se virar na Londres decadente dos anos 70? A serie é sensacional, além de contar com uma trilha fantástica. Rendeu até um spin off chamado Ashes to Ashes, esse passado nos anos 80. Além de um remake americano dispensável (como é de praxe).

Segundo consta, o ator inglês que viveu  o personagem principal da série não queria ficar eternamente estigmatizado como Sam Tyler de Life on Mars.

Com isso, tivemos apenas duas temporadas dessa serie incrível. Mas Life On Mars sempre estará no meu coração porque salvou o meu hiatus naquele ano e me apresentou às maravilhosas series da BBC.

Até a próxima.

Gaby Matos

 

 

 

O que vem por aí – Terror em Silent Hill: Revelação

Após vídeo perturbador de Terror em Silent Hill: Revelação, lançado no Comic Con 2012 (que você pode conferir no link abaixo). Foi lançado na tarde de sexta feira, 27/07 o trailer oficial do filme.

O longa é dirigido por Michael J. Bassett o mesmo de O Caçador de Demônios. Tem no elenco Kit Harington e Sean Bean (ambos da série Game of Thrones), Radha Mitchell (Melinda e Melinda), Carrie-Anne Moss (Matrix) e Malcolm McDowell (Laranja Mecânica).

A trama é centrada em Heather Mason e seu pai, que sempre fugiram de malignas forças que jamais conseguiram entender. Agora, na véspera do aniversário de 18 anos de Heather, seu pai misteriosamente desaparece. Assombrada por pesadelos, ela pode ficar presa em Silent Hill para sempre.

O longa tem sua estreia mundial prevista para 26 de outubro de 2012.

Trailer oficial:

Clipe exibido na Comic Con:

Vinicius Hernandes

Bons Filmes em Agosto

Opa! Como estão? Mais um atraso desses e a chefa me demite. Ainda mais agora que contamos com um super time de colaboradores… Mas aí estão as estreias do mês de agosto, incluindo as do dia 03. Boas sessões e até a próxima 😉

03/08

O Que Esperar Quando Você Está Esperando

03/08

Katy Perry: Part of Me

03/08

Bel Ami – O Sedutor

10/08

Lola

10/08

À Beira do Caminho

17/08

O Vingador do Futuro

17/08

Um Divã para Dois

24/08

A Casa Silenciosa

24/08

O Ditador

24/08

Rock of Ages: O Filme

31/08

A Arte da Conquista

Kevin Kelissy